Início

Curiosidades: “Surpreendentes sentidos animais”

Deixe um comentário

Senso infravermelho

10 surpreendentes sentidos animais_8

O espectro de visão do ser humano é tão limitado que precisamos da tecnologia para detectar comprimentos de onda abaixo do vermelho. Com tal tecnologia, a ciência construiu as modernas “termocâmeras”, que detectam as diferenças de radiação e permitem saber, literalmente, onde está quente e onde está frio.

Este senso de temperatura baseado na radiação é uma habilidade natural de várias espécies de cobras. Ao contrário do que muita gente pensa, no entanto, não é pelos olhos que elas fazem essa distinção, e sim por um equipamento sensorial independente da visão. Logo, elas caçam não baseadas na cor, e sim na temperatura das presas.

Anúncios

Curiosidades – As invenções mais revolucionárias do mundo

Deixe um comentário

Computadores

Charles Babbage, em 1837, foi o primeiro a conceitualizar e desenhar um computador mecânico totalmente programável chamado de “O motor analítico”. Devido a suas finanças limitadas e inabilidade de efetuar melhoramentos no design Charles nunca construiu a máquina. Computadores automatizados de processamento de dados com cartões perfurados em grande escala foram utilizadas no censo dos EUA em 1890. Elas foram criadas por Herman Hollerith e fabricadas pela empresa Computing Tabulating Recording Corporation que em seguida tornou-se a IBM.

O IBM 7030, também conhecido por Strech, foi o primeiro supercomputador lançado na segunda geração, desenvolvido pela IBM. Seu tamanho era bem reduzido comparado com máquinas como o ENIAC, podendo ocupar somente uma sala comum. Ele era utilzado por grandes companhias, custando em torno de 13 milhões de dólares na época.

O IBM 7030, também conhecido por Strech, foi o primeiro supercomputador lançado na segunda geração, desenvolvido pela IBM. Seu tamanho era bem reduzido comparado com máquinas como o ENIAC, podendo ocupar somente uma sala comum. Ele era utilzado por grandes companhias, custando em torno de 13 milhões de dólares na época.

Computador IBM PC Fabricado pela IBM Corporation, originário dos EUA.

Computador IBM PC Fabricado pela IBM Corporation, originário dos EUA.

Curiosidades Diversas VII

Deixe um comentário

Curiosidades da Cultura Gaúcha

1 Comentário

Origem da Bombacha

A época em que a bombacha começou a ser utilizada pelo gaúcho não é precisa. Existem várias versões para a sua origem. Uns afirmam que a bombacha foi introduzida por intermédio do comércio britânico na região do Rio da Prata, por volta de 1860, das sobras dos uniformes usados pelas forças coloniais, que copiavam as vestimentas dos povos conquistados. A bombacha seria, então, de origem turca, ou talvez espólio da Guerra da Criméia (como sustenta uma outra versão). Há também uma versão que diz que, durante a Invasão Moura na Península Ibérica, a calça larga teria se incorporado ao vestuário do norte da Espanha, na região chamada “La Maragateria” e depois trazida para a América do Sul pelos maragatos durante a colonização. Portanto, ela teria origem árabe. Por fim, a última tese é de que a bombacha teria vindo com os habitantes da Ilha da Madeira. No Rio Grande do Sul, a vestimenta passou a ser utilizada inicialmente pelos mais pobres, no trabalho nas estâncias, logo após a Guerra do Paraguai, por causa da sua funcionalidade. Depois, passou a ser usada por todos.


Como surgiu o termo “gaúcho”?

Existem várias teorias conflitantes sobre a origem do termo “gaúcho”. O vocábulo pode ter derivado do quíchua (idioma ameríndio andino) ou de árabe “chaucho” (um tipo de chicote para controlar manadas de animais). Além disso, há muitas hipóteses sobre o assunto. Um registro de seu uso se deu por volta de 1816, durante a independência da Argentina, com o qual se denominavam os índios nômades de pele escura, os gaúchos ou “charruas”, cavaleiros que domavam e cavalgavam “em pelo” os animais selvagens desgarrados das estâncias espanholas, que procriavam nos pampas argentinos.

Guanches ou Guanchos é o gentílico dos habitantes das Ilhas Canárias na fundação de Montevidéu. Quando o Rei da Espanha mandou casais de agricultores das ilhas Canárias povoarem a recém-fundada Montevidéu (1724), eles transplantaram a palavra pela qual identificavam os habitantes autóctones das ilhas: guanches, ou guanchos. Segundo a história, foi esta a origem da palavra gaúcho, com pequena distorção de pronúncia: guanches ou guanchos.

O gentílico “gaúcho” foi aplicado aos habitantes da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul na época do Império Brasileiro, por motivos políticos, para identificá-los como beligerantes até o final da Guerra dos Farrapos. Também importante para adoção dessa cultura viva para representação do Estado do Rio Grande do Sul é a influência do nativismo argentino, que no final do século XIX expressa a construção de uma das maiores culturas se não a maior do Brasil.


E o Chimarrão…de onde vem?

O chimarrão (ou mate) é uma bebida característica da cultura do sul da América do Sul. É um hábito legado pelas culturas indígenas quíchuas, aimarás e guaranis. Ainda hoje, é hábito fortemente arraigado no Sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), parte da Bolívia e Chile, Uruguai, Paraguai e Argentina. É composto por uma cuia, uma bomba, erva-mate moída e água morna. O termo mate, como sinônimo de chimarrão, é mais utilizado nos países de língua castelhana. O termo “chimarrão” é o adotado no Brasil, embora seja um termo oriundo da palavra castelhana cimarrón, que designa, por sua vez, o gado domesticado que retornou ao estado de vida selvagem.

Fonte: Wikipedia

Curiosidades sobre o 7 de Setembro

1 Comentário

Embora tenha sido de grande valor, este fato histórico não provocou rupturas sociais no Brasil. O povo mais pobre se quer acompanhou ou entendeu o significado da independência. A estrutura agrária continuou a mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de renda continuou desigual. A elite agrária, que deu suporte D. Pedro I, foi a camada que mais se beneficiou.

A ORIGEM DAS QUATRO ESTAÇÕES

Deixe um comentário

Inicialmente o ano era dividido em duas partes, a saber:

1. O período quente (em latim: “ver”): era dividido em três fases: o Prima Vera (literalmente “primeiro verão”), de temperatura e humidade moderadas, o Tempus Veranus (literalmente “tempo da frutificação”), de temperatura e humidade elevadas, e o Æstivum (em português traduzido como “estio”), de temperatura elevada e baixa humidade.

2. O período frio (em latim: “hiems”) era dividido em apenas duas fases: o Tempus Autumnus (literalmente “tempo do ocaso”), em que as temperaturas entram em declínio gradual, e o Tempus Hibernus, a época mais fria do ano, marcada pela neve e ausência de fertilidade. Posteriormente, para ajustar as estações à posição exata dos equinócios e solstícios, correlacionando-as com a influência da translação associada à mudança no eixo de inclinação da Terra, convencionou-se, no Ocidente, dividir o ano em somente quatro estações. Vale a pena lembrar que certas culturas ainda dividem o ano em cinco estações, como a China. Países como a Índia dividem o ano em apenas três estações: uma estação quente, uma estação fria e uma estação chuvosa. Já no continente Africano, países como Angola só têm duas estações, a das chuvas, quente e úmida, e o cacimbo, seca e ligeiramente mais fresca, principalmente à noite.

Estações do ano no Brasil

As estações do ano no Brasil são assinaladas oficialmente nos dias dos solstícios e nos dias dos equinócios. Como o Brasil está (quase totalmente) no hemisfério sul, a primavera inicia-se em setembro, o verão em dezembro, o outono em março e o inverno em junho. Entretanto, as quatro estações propriamente ditas só existem de fato na Região Sul, nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, e nas regiões serranas de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, que ocupam pouco mais de 15% do território. Na Amazônia não há variação significativa de temperatura e pluviosidade durante o ano todo, por isso na prática não há estações do ano. Nas demais regiões, existem apenas duas estações: a estação chuvosa e a estação seca.

Fonte: Wikipedia

Origem da Festa de São João

Deixe um comentário

O Nascimento de João Batista (ou Dia de São João) é uma festa cristã celebrando o nascimento de João Batista, um profeta que previu o advento do Messias na pessoa de Jesus Cristo e o batizou. Esta festa é amplamente comemorada no mundo cristão no dia 24 de junho e é uma das festas juninas. Os cristãos há muito interpretam a vida de João Batista como uma preparação para o advento de Jesus e as circunstâncias de seu nascimento. O único relato bíblico sobre o nascimento do profeta está no Evangelho de Lucas. O Dia de São João é um dos mais antigos festivais do cristianismo  e, como o Natal, era celebrado com três missas: uma pela manhã, uma ao meio-dia e outra no pôr-do-sol. O nascimento de João Batista no dia de 24 de junho ocorre seis meses antes do Natal, que celebra o nascimento de Jesus. Obviamente, o objetivo das festas não é marcar a data exata destes eventos, mas sim comemorá-los de forma interligada.


CURIOSIDADES

    De origem europeia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Assim como a cristianização da árvore pagã “sempre verde” em árvore de natal, a fogueira do dia de “Midsummer” (25 de dezembro) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia.

 

Mais informações:

Festas Juninas

Older Entries